Nascido nessa terra, "jóia do sertão baiano", escolhi Vitória da Conquista para servi-la e, junto com ela, crescer. Por acreditar que o conhecimento é o nosso único patrimônio, do qual ninguém nos pode furtar, tornei-me historiador e contador. Como a busca pelo saber é infinita, toquei outros projetos na área e me especializei em Gestão Pública.

continue lendo
18/12/2012

Reunido na última segunda-feira (17), o Fórum das Centrais Sindicais (CTB, CUT, Força Sindical, NCST e UGT) definiu um calendário de atividades para 2013 para reforçar as reivindicações contidas na Agenda da Classe Trabalhadora, aclamadas na 2ª Conclat (01/06/10).

As centrais também construíram um documento, no qual reiteram a crítica à política econômica do governo, apesar de reconhecer os avanços em relação às taxas de juros e spread bancário.

Os sindicalistas acreditam que há falta disposição do governo e da presidenta Dilma para negociar a agenda desenvolvimentista da classe trabalhadora, o que ocorre em contraste com o tratamento dispensado aos representantes do capital, que são beneficiados com isenção de impostos e outras medidas que visam estimular a produção e investimentos.

(mais…)

Postado por: Eduardo Moraes
0 comentário
18/12/2012

 

A Suprema Corte, como o próprio nome indica, existe para ser a instância máxima a dirimir as pendências constitucionais de uma Nação.
Sobretudo, foi concebida para erguer linhas de passagem que superem interpretações divergentes em torno da Carta Magna, evitando-se crises institucionais, antecipando-se a elas, ademais de calafetar hiatos decorrentes de elisões constituintes.
Assim entendido, o Supremo é a extensão permanente do poder constituinte que o originou.
Mas não acima de qualquer circunstância.
Sobretudo, não como um usurpador do equilíbrio de poderes no qual se assenta a estabilidade da democracia.

(mais…)

Postado por: Eduardo Moraes
0 comentário
30/11/2012

Rubem AlvesRubem Alves

Contei meus anos e descobri Que terei menos tempo para viver do que já tive até agora…
Tenho muito mais passado do que futuro…Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de jabuticabas…As primeiras, ele chupou displicentemente…
Mas, percebendo que faltam poucas, rói o caroço…Já não tenho tempo para lidar com mediocridades…Inquieto-me com os invejosos tentando destruir quem eles admiram.
Cobiçando seus lugares, talento e sorte…Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoasAs pessoas não debatem conteúdo, apenas rótulos…
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos…Quero a essência… Minha alma tem pressa…Sem muitas jabuticabas na baciaQuero viver ao lado de gente humana… muito humana…Que não foge de sua mortalidade.
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade…

(mais…)

Postado por: Eduardo Moraes
0 comentário
28/11/2012

 

Simplicidade é ser livre de complicações, perguntas inúteis, dúvidas e expectativas. Quando sou simples nas minhas ações, sou naturalmente preciso e inspirador. Quando sou simples nos meus pensamentos, também sou simples nas minhas respostas ao ambiente externo (pessoas e situações). Assim permaneço contente comigo. Esse contentamento traz novidade e criatividade a medida que vou respondendo às situações com essa simplicidade. Ser simples não é ser comum ou superficial. Ser simples é ser capaz de trazer soluções fáceis para a complexidade da vida. Para ser simples é preciso entendimento, ponderação e sabedoria ”

Brahma Kumaris

Postado por: Eduardo Moraes
0 comentário
26/11/2012

Há sessenta e quatro anos que Israel usa dois discursos para legitimar as suas intervenções nos territórios ilegitimamente ocupados da Palestina: um é o discurso da "eliminação definitiva do terror palestino"; o outro é o da "legítima defesa contra os ataques de que Israel é alvo". Ambos projetam uma revisão ardilosa da História. Atacar Gaza dá votos e legitima o imobilismo político de Tel Aviv. E sobretudo desvia a atenção da História real para uma História conveniente. O artigo é de José Manuel Pureza.

José Manuel Pureza – Diário de Notícias

Há sessenta e quatro anos que Israel usa dois discursos para legitimar as suas intervenções nos territórios ilegitimamente ocupados da Palestina: um é o discurso da "eliminação definitiva do terror palestino"; o outro é o da "legítima defesa contra os ataques de que Israel é alvo". Ambos projetam uma revisão ardilosa da História.

(mais…)

Postado por: Eduardo Moraes
0 comentário
Páginas123... 1108»


TWITTER

FALE COM EDUARDO